Edição 02
Set/Out
2023

Cuíca de Santo Amaro

Almanaque da Bahia

O trovador que botou a boca no trombone

Não se sabe, em verdade, de onde veio o apelido Cuíca de Santo Amaro que José Gomes ganhou em vida (1907-1964). Há quem diga que por tocar violão interior adentro, viajando na boleia de caminhão, um motorista deu-lhe a alcunha. Já outros falam que o poeta casou-se, em 1935, com a santamarense Maria do Carmo Sampaio, com quem teve cinco filhos, e era quase um deles. 

Mas o fato é que Ele, o tal, como se apresentava, nasceu no bairro de Nazaré, região central de Salvador. Terminado o primário no tradicional Liceu de Artes e Ofícios da Bahia, trabalhou em tinturaria, no trapiche de fumo e como cobrador de bonde. Um cidadão comum até se transformar no personagem inventado por ele mesmo.

O jurista e compositor Carlos Coqueijo o descreve:

“De chapéu de coco, óculos escuros (tinha uma vista defeituosa), fraque, suando em bicas, declamava com todo o peito a sua terrível versalhada, nas escadarias da prefeitura, nos trens, nas feiras, no mercado, no Elevador Lacerda, e acabou no cinema, cantando, ele próprio, a desgraça da Feira de Água de Meninos, no filme de Roberto Pires que levou esse nome, e encarnado por Zé Coió no ‘Pagador de Promessas’”.

Os temas fascinavam a multidão, na velha São Salvador dos anos 40 e 50. Era um destruidor de reputações. Um Gregório de Mattos sem o polimento da gramática. Jorge Amado traça o perfil do trovador urbano:

Tudo quanto acontece na Bahia e no mundo é tema para a poesia de Cuíca: assassinatos e roubos, vida cara, raptos românticos e tempestades que naufragaram saveiros. Seus folhetos são jornal e livro, informação e cultura, comentário social e econômico, ironia e crítica, poesia e panfleto. Escreve desafios, ABCs, histórias nos ritmos populares da redondilha. É autor, editor, chefe de publicidade e livreiro ambulante”.

“Muita gente deixou de fazer coisa ruim com medo dele”, disse o padre Gaspar Sadoc em depoimento para o filme “Cuíca de Santo Amaro, Ele o tal!”. O religioso interveio algumas vezes para evitar agressões a Cuíca, mas também para lhe pedir moderação nos cordéis. O cineasta Glauber Rocha o definia assim: “figura mitológica”.

*******************

Se eu fosse governador

Você sabe o que eu fazia?

Primeiro baixava os impostos

De uma noite para o dia

Para acabar de uma vez

Com toda patifaria.

*******************

Me parece que os jornais

Da Bahia são comprados

Pois fatos palpitantes

Nunca foram publicados

Os jornais sabem escrever

Porém o que interessa

Fica o povo sem saber

*******************

Este foi o triste fim

Que teve a Mulher de Brotas

Na Ladeira do Cabral

Bem perto das Sete Portas

Bem na boquinha da noite

Quando as horas eram mortas

*******************

Aqui dentro da cidade

Sempre se dá isto

Muita gente não sabe

Como se deu o sinistro

As vezes o proprietário

É sempre quem paga o Cristo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

Mergulhe nas águas claras da Baía de Todos os Santos. Novos ninhos da vida marítima atraem mais turistas a cada verão. Aventure-se, com segurança!
Uma das visões que mais encantam os visitantes no Raso da Catarina são as cores fortes dos pássaros da espécie arara-azul-de-lear
Ela já é uma cantora e compositora experiente, com trabalhos de qualidade, coloca o seu timbre, doce e singular, cada vez com mais maestria. Ela é danadinha.
Ele recebeu VivaBahia em sua casa, conversa cheia de emoção, música, sabedoria e ensinamentos sobre o Recôncavo, mistérios e segredos.