Edição 03
Mar/Abr
2024

Memórias do 2 de julho

One Response

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

A vida venturosa de Caramuru talvez explique a vocação romântica, libertária e progressista do bairro mais boêmio da primeira capital do Brasil
“Velhos capoeiras, como rezava Pastinha/ Somos pretos mandingueiros, em ânsia de liberdade/ Às pernadas, trupicando pelas ladeiras, pinga ardente no lombo, olho nas quebradas...”