Edição 03
Mar/Abr
2024

TÁ DANADO DE BOM

Legenda: Foto: Shuterstock

Na Bahia, a Festa de São João ocorre, simultaneamente, nos seus 417 municípios. Em apenas um único dia acontecem 2.600 shows no Estado, com 7 mil horas de forró por dia, 1.700 viagens de ônibus e deslocamento de 300 mil carros cruzando o Estado.

Do sertão ao litoral – os quatrocentos e dezessete municípios da Bahia, seja cidade grande ou pequena, seja um distrito – cada qual com suas tradições e costumes já vivem o clima junino com o preparo de licores, comidas, fogos de artifício e de muitas festas em louvor a São João. Antigo festejo rural caiu no gosto popular de tal forma que hoje é considerada a segunda maior movimentação financeira do estado, perdendo apenas para o Natal.

FESTA NA CAPITAL

A folia vai acontecer desde a Praça Municipal até o Largo do Santo Antônio, resgatando a tradição dos festejos juninos na sua mais pura essência. O evento será realizado pelos empreendedores do Centro Histórico, através da Associação Centro Histórico Empreendedor (ACHE), e conta com o apoio da Prefeitura de Salvador, através da Secretaria de Cultura e Turismo (Secult).

O São João do Centro Histórico tomará conta das ruas, largos, praças, dos casarões e instituições que existem no lugar oferecendo programações em dois circuitos: o “Prá Lá de Bão”, que é completamente gratuito e o “Pra Ficá Mió”, realizado por instituições públicas e privadas, com ingressos a preços populares. Ao todo serão realizadas 165 ações gratuitas, 73 ações a preços populares, uma média de 27 eventos por dia, que envolverão 432 artistas.

Será montada a estrutura necessária para receber o público, como banheiros químicos e fraldário. O estacionamento Delta Parking cobrará tarifa única de R$20. O evento funcionará também como propulsor de renda para famílias que ali residem. Os grupos identitários estarão envolvidos. Os tambores do Pelô tocarão baião, as baianas vestirão chita e os capoeiras jogarão com chapéus de palha.

E quem passar pelas ruas do Centro Histórico durante esses oito dias pode ainda se deparar com “Gonzagão”, que estará passeando acompanhado de um sanfoneiro, cantando, cumprimentando, saudando a todos. O saudoso “Rei do Baião” será encarnado pelo ator Vitório Emanuel, que já interpretou o grande mestre brasileiro no “O Vôo da Asa Branca”.

Comemorado com tradições – fogueiras, fogos de artifício, rezas e forró – e com tecnologia na estrutura dos arraias e as confortáveis festas de camisas, “points juninos”, o São João provoca intensa movimentação dos baianos entre o interior e atrai milhares de turistas de outros estados.

AQUECE A ECONOMIA

O São João aquece a economia dos municípios. As prefeituras investem em mídia, tecnologia e grandes atrações musicais para animar os bem estruturados “arraias caipiras” espalhados por todo estado.

Palcos equipados com iluminação e sonorização de última geração, camarotes, barracas padronizadas de comidas e bebidas, banheiros químicos e segurança. Da geração de empregos temporários, passando pelo recolhimento de impostos pelas prefeituras até o faturamento da rede comercial, hoteleira, de alimentação e de transportes, o São João é uma cadeia produtiva que proporciona ganho a todos, até quem faz artesanalmente em casa, um bom licor ou uma iguaria junina para vender ou quem aproveita a procura e aluga casas e quartos, pois dobram ou triplicam a população das cidades. 

Segundo o Presidente da Secção Bahia da Abav, Associação Brasileira de Agentes de Viagens, João Alceu Rigon Filho, “o mês de junho é de baixa estação para a rede hoteleira mas, com a festa do São João e o apoio de promoção do Governo do Estado, podemos equilibrar a ocupação de hotéis e pousadas em toda a Bahia”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

Este é o meu texto resumo.
Fruto sagrado para os astecas, o cacau, e seu principal produto, o chocolate, encontrou no sul da Bahia o solo fértil para gerar riquezas e histórias
Conheça o dia a dia dos povos originários que resistem e mantém vivos costumes e tradições. São mais de 200 mil descendentes de 14 etnias indígenas.