Edição 03
Mar/Abr
2024

A fantástica fábrica solidária de chocolate

Foto: Divulgação

Na trilha da notícia

Inaugurada em março de 2023, no município de Ilhéus, Litoral Sul Baiano, a ChocoSol é a primeira fábrica-escola de chocolates da Economia Solidária do Brasil, instalada no campus da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), investimentos de R$ 500 mil do Governo do Estado, por meio da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte da Bahia (Setre).  A gestão da Chocolates ChocoSol tem a chancela da Associação Beneficente Josué de Castro (ABJC).

A fábrica-escola vai beneficiar o cacau produzido na região, com foco na inovação de processos e produtos, fornecer assistência técnica aos agricultores familiares produtores de cacau, buscando a qualificação das amêndoas para produção de chocolate fino.

Foto: Divulgação

A fábrica-escola vai beneficiar o cacau produzido na região, com foco na inovação de processos e produtos, fornecer assistência técnica aos agricultores familiares produtores de cacau, buscando a qualificação das amêndoas para produção de chocolate fino.

O trabalho coletivo e o respeito às pessoas são os ingredientes principais. “Uma verdadeira conquista para a região e um passo importante em direção ao desenvolvimento sustentável e à valorização da economia local”, afirma o secretário da Setre, Davidson Magalhães.

“A ChocoSol representa um avanço nas políticas públicas, pois caminha para uma espécie de arranjo produtivo territorial solidário, e se constitui em um moderno equipamento disponibilizado para a aprendizagem, pesquisa e produção social a serviço dos empreendimentos solidários da cadeia do chocolate”, avalia o superintendente de Economia Solidária da Setre, Wenceslau Júnior.

Mais valor agregado

A fábrica funciona de segunda a sexta-feira e, desde a sua inauguração, já produziu 3,2 toneladas. São 10 máquinas em operação, além de uma câmara fria e 20 tipos de formas, distribuídas em 300 m².

Segundo o secretário Davidson Magalhães, a Chocosol é uma maneira das políticas públicas chegarem às pessoas. “A fábrica-escola Chocosol vai beneficiar empreendedores da Economia Solidária que atuam na produção de cacau e derivados. E também contribuirá para a pesquisa, com foco na inovação, e assistência técnica, visando uma produção com maior valor agregado”, afirma.

Com participação expressiva no Chocolat Festival, em Ilhéus, cerca de 50 empreendimentos expuseram seus produtos em barra de diversos tipos como branco, ao leite, vegano e em diversas porcentagens de cacau. Neste primeiro momento, três marcas já participam de um consórcio para exportação de chocolates baianos: Modaka, Natucoa e Benevides.

Os portugueses estão chegando

Foto: Divulgação

Novos voos na pista anunciados nos estandes baianos em Lisboa, no maior evento lusitano internacional, na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), no Parque das Nações. A comitiva da Secretaria de Turismo da Bahia (Setur) reuniu-se com operadoras de turismo que atuam na Europa e na América Latina e com a diretoria da aérea TAP, para incrementar a divulgação internacional do estado e a abertura de novos voos de Portugal para Salvador e Porto Seguro.

O evento reuniu 1,5 mil empresas de turismo de todo o mundo. Mais de 70 mil pessoas circularam na feira. “A Bahia é a nossa porta de entrada no Brasil. Acredito que o momento é bom para fazermos novas parcerias com o governo baiano, que tem investido fortemente no turismo”, disse o diretor da operadora portuguesa Sonhando, José Manoel Antunes.

O titular da Setur-BA, Maurício Bacelar, e sua equipe apresentaram nos estandes a diversidade do turismo baiano e prospectaram negócios. Os visitantes foram recepcionados por baianas e conheceram as atrações das 13 zonas turísticas baianas, entre elas a Costa do Cacau.

Marcaram presença atores e atrizes da novela portuguesa “Cacau”, que está no ar pela TVI, gravada em Itacaré, no litoral sul baiano. A novela, desde o primeiro capítulo, é líder de audiência em Portugal.

A BTL é uma vitrine mundial, tanto para a promoção dos destinos baianos, como para a atração de voos e outros investimentos turísticos.

Terreiros na rota

Projeto Agô Bahia vai recuperar nove terreiros em Salvador e um em Camaçari: Casa Branca, Gantois, Ilê Axé Opô Afonjá, Bate Folha, Zoogodô Bogum Malê Hundó, Ilê Maroialaji Alaketu, Ilê Axé Oxumaré, Ilê Asipá, Hunkpame Savalu Vodun Zo Xwe na capital baiana, e Manso Kilebemkueta Lemba Furamon no município da Região Metropolitana com investimentos de R$ 268,5 mil pelo Governo da Bahia, por meio da da Secretaria de Turismo (Setur).

Essa ação integra o projeto Agô Bahia, destinado a promover o turismo religioso de matriz africana. Membros dos templos beneficiados receberam certificados de capacitação em atendimento turístico.

Terreiro do Gantois, Ilê Iyá Omi Axé Iyamassê/ Foto: Setur

A iyakekerê do Terreiro do Gantois, Ângela Ferreira, expressou a importância da iniciativa para a comunidade de santo, enquanto a ekede do Terreiro da Casa Branca, Cinha Brandão, ressaltou a relevância do governo envolver-se com as comunidades religiosas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

Esmola Cantada para São Cosme e Damião, uma tradição popular mantida pelos devotos dos santos gêmeos em algumas regiões do Recôncavo Baiano
Fruto sagrado para os astecas, o cacau, e seu principal produto, o chocolate, encontrou no sul da Bahia o solo fértil para gerar riquezas e histórias