Edição 03
Mar/Abr
2024

Como o pai e a família do papa Francisco escaparam de naufrágio

La mano de Dios ajudou a família do papa Francisco? / Foto: Vaticano News

Milagre ou destino?

Oscar Paris

Às 20h30 do dia 26* de outubro de 1927, uma quarta-feira, o gigante italiano SS Pincipessa Mafalda naufragava a 80 milhas da Costa de Porto Seguro, extremo sul da Bahia, sepultando, nas águas revoltas do Atlântico, 382 pessoas, entre passageiros e tripulantes.

A tragédia virou manchete dois dias depois no jornal carioca O Paiz, teve grande repercussão à época e acabou voltando ao noticiário exatos 86 anos depois, com o pontificado de Jorge Mario Bergoglio, o popular papa Francisco.

O destino salvou a vida da família Bergoglio, incluindo os avós, tios e o pai do futuro papa, Mario Giuseppe Bergoglio. Todos tinham bilhetes comprados para a viagem marítima à Argentina, destino de muitos imigrantes italianos na América do Sul, exatamente no fatídico transatlântico Principessa Mafalda.

Mas o atraso na venda do café, o sustento da família em Milão, acabou alterando os planos e a saída foi adiar a travessia do Oceano Atlântico para novembro a bordo de outro navio, o Giulio Cesare.

São e salvo em terras portenhas, anos mais tarde, Mario Bergoglio casou-se com Regina Maria Sivori Gogna, com quem teve cinco filhos, sendo Jorge o primogênito da família, nascido às 21h de 17/12/1936, no bairro de Flores, em Buenos Aires, na Argentina. Vem daí a paixão do papa pelo San Lourenzo, o clube mais popular daquela região.

O ouro no fundo do mar

Ao naufragar em águas brasileiras, o Principessa, que rumava para o Rio de Janeiro com destino final em Buenos Aires, transportava aproximadamente 1.300 pessoas de várias nacionalidades. Pouco mais de 60 viajavam de primeira classe, 80 na segunda e quase mil na terceira classe, além de 300 tripulantes.

A valiosa carga de 50 milhões de libras em ouro que o governo italiano havia enviado para a Argentina jamais chegou ao seu destino. O transatlântico que desapareceu levando seu comandante, Simón Guli, 55 anos, repousa a uma profundidade de 250 metros e a quase 130 quilômetros de Porto Seguro.

*Reportagens e publicações divergem sobre a data do ocorrido, oscilando entre os dias 24 e 26 de outubro. Na matéria, a data da reportagem do jornal O Paiz é de 28/10/1927, publicada dois dias após a tragédia.

Oscar Paris, jornalista e escritor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

Faz 200 anos. Veja a seguir, as histórias das principais batalhas, a origem dos festejos e do orgulho baiano pela vitória na luta que consolidou a Independência do Brasil. A cada 2 de Julho, Salvador reveste-se de cores fantásticas para festejar o dia em que o povo venceu.
Santo Antônio, São João, São Pedro e São Paulo, também celebrados no mês de junho, são os patronos das tradicionais Festas Juninas, espalhadas Brasil afora
O “forrozeiro cabeludo” morreu em agosto de 2022 aos 66 anos. Deixou extensa e talentosa obra no cenário musical dos festejos juninos. Tornou-se o Rei do Forró Temperado
A Bahia ganhou um espaço para exposições, performances e apresentação de obras e projetos de arte sintonizados com a atualidade e nos formatos mais variados.