Edição 03
Mar/Abr
2024

Dario Guimarães Neto: pela lente do olhar

ODU OKANLELOGUN – Obrigação de 21 anos da Iyakekerê, no Ilê Axé Omin Doiá, Águas Claras, Salvador

Dario Gomes de Oliveira Guimarães Neto, carinhosamente chamado Dadá pelos amigos, é desses raros talentos natos que tem a maestria de contar histórias, transmitir emoções e capturar momentos únicos através de suas fotografias.

Salvador é uma das paixões de Dadá: “Nenhuma outra cidade no Brasil tem a luminosidade de nossa cidade”. Fotografou de tudo um pouco, da Feira de São Joaquim ao Mercado das Sete Portas, do carnaval profano às festas sagradas do calendário religioso baiano, suas igrejas e seus terreiros. Sua gente.

Desde 1972, destaca-se no exigente e seleto universo das agências de publicidade, tais como Unigrafe, DM9 de Duda Mendonça, Propeg e Publivendas, Divisão, Engenho Novo, D&E, Randam.

Entre 1977 e 1979, entra para Rainer Nordestes Artes Gráficas, que traz para a Bahia o fotógrafo italiano Gianfranco Dal Bianco para dirigir o primeiro estúdio especializado em fotografia publicitária da Bahia.  O italiano volta para a Europa e, em 1978, Dario passa a dirigir o estúdio pioneiro.

Dario Guimarães em foto de Manuela Cavadas

Trabalhou na Europa (1980/1984), fotografando em Londres e Turim. Volta para o Brasil e até 2010 dedica-se ao próprio estúdio, ampliando os horizontes da fotografia industrial, aérea e de marketing político.

Integra a equipe da agência D&E, sob direção do pioneiro Geraldo Walter de Souza Filho, o Geraldão, na histórica campanha que elegeu Waldir Pires governador da Bahia, em 1986, marco do marketing nacional eleitoral.

A partir de 2011, passa a fazer jornalismo e assessoria de imprensa, faz por três anos o Jornal da Metrópole, e a partir de então atua como free lancer.

Nos últimos anos, se propôs a registrar, com profundo conhecimento e respeito, o mundo sagrado dos terreiros da Bahia, mote deste breve ensaio que publicamos a seguir. 

Pela lente do seu olhar.

ODU OKANLELOGUN – Obrigação de 21 anos da Iyakekerê, no Ilê Axé Omin Doiá, Águas Claras, Salvador
ODU OKANLELOGUN – Obrigação de 21 anos da Iyakekerê, no Ilê Axé Omin Doiá, Águas Claras, Salvador
ODU OKANLELOGUN – Obrigação de 21 anos da Iyakekerê, no Ilê Axé Omin Doiá, Águas Claras, Salvador
ODU OKANLELOGUN – Obrigação de 21 anos da Iyakekerê, no Ilê Axé Omin Doiá, Águas Claras, Salvador
Rum de Oxaguian no Ilê Axé Babá Elemossó, Lagoa da Paixão, Paripe, Salvador
Rum de Oxaguian no Ilê Axé Babá Elemossó, Lagoa da Paixão, Paripe, Salvador
Rum de Oxum no Ilê Axé Babá Elemossó, Lagoa da Paixão, Paripe, Salvador
Rum de Oxum no Ilê Axé Babá Elemossó, Lagoa da Paixão, Paripe, Salvador
ODU OKANLELOGUN – Obrigação de 21 anos da Iyakekerê, no Ilê Axé Omin Doiá, Águas Claras, Salvador
ODU OKANLELOGUN – Obrigação de 21 anos da Iyakekerê, no Ilê Axé Omin Doiá, Águas Claras, Salvador
Rum de Oxum no Ilê Axé Babá Elemossó, Lagoa da Paixão, Paripe, Salvador
Rum de Oxum no Ilê Axé Babá Elemossó, Lagoa da Paixão, Paripe, Salvador

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Também

Ela já é uma cantora e compositora experiente, com trabalhos de qualidade, coloca o seu timbre, doce e singular, cada vez com mais maestria. Ela é danadinha.
A vida venturosa de Caramuru talvez explique a vocação romântica, libertária e progressista do bairro mais boêmio da primeira capital do Brasil
Saiba como fazer a tradicional Canjica, um dos pratos preferidos na farta mesa junina da Bahia, onde não pode faltar, milho cozido, amendoim, cuscuz, pamonha, munguzá, bolo de milho ou de aipim, um bom licor
"Artista solidário com a vida, com a luta do homem, com o tempo e o chão presentes, solidário com seu tempo, sua terra, seu povo, seus artistas..."